História do Vitória de Guimarães

Vitória de Guimarães

 

Nome

Vitória Sport Clube. 

Alcunhas

Conquistadores 

Torcedor/Adepto Vitorianos

 Conquistadores

 Branquinhos 

Principal rival

Braga 

Fundação 22 de setembro de 1922

(96 anos) 

Estádio

  1. Afonso Henriques

Capacidade 30,146[1] 

Localização Guimarães, Portugal 

Presidente Miguel Pinto Lisboa 

O Vitória Sport Clube, mais conhecido pelo acrónimo V.S.C, trata-se de um clube ecléctico[2][3][4] português fundado em 22 de setembro de 1922 e sediado na cidade de Guimarães.

 

Tem como modalidade principal o futebol, distinguindo-se também em modalidades como o voleibol, o basquetebol, o futebol de praia, a natação, o pólo aquático, o jiu-jitsu, o taekwondo o kickboxing, entre outros. Sendo um clube de referência nacional e que, ao longo da sua existência, conquistou vários títulos nacionais e internacionais.[5].

 

O Vitória Sport Clube é reconhecido sobretudo pela sua enorme massa adepta[6], e pelas grandes deslocações fora[7], actualmente milita na Primeira Liga, onde é o 4º clube com mais presenças no maior escalão do futebol Português, contabilizando 73 presenças, sendo também detentor de uma Taça de Portugal e de uma Supertaça Cândido de Oliveira.

 

O acesso às provas europeias é norma para a equipa vimaranense, tendo já disputado eliminatórias da Liga dos Campeões da UEFA e fases de grupos da Liga Europa recentemente. Ocupa actualmente a 125ª posição do ranking de clubes da UEFA[8], e o 158º lugar no ranking IFFHS.[9].

O Vitória Sport Clube deve as suas origens a um grupo de jovens estudantes que constituiu um grupo de futebol em 1913, data que alguns investigadores apontam como a verdadeira data de fundação do clube, ao qual em 1918 deram o actual nome, Vitória.

 

Em 22 de setembro de 1922, data oficial da fundação, o clube é filiado na Associação de Futebol de Braga, exactamente no primeiro ano de funcionamento daquela associação.[10] A referência mais antiga do Vitória é na edição do "Norte Desportivo" de 6 de fevereiro de 1938.

O Vitória Sport Clube começou a competir oficialmente no Campeonato Distrital de Braga na época de 1922–23, ano de estreia da competição. Após alguns anos de adaptação sem conquistar nenhum troféu, as participações do Vitoria SC em competições oficiais foram interrompidas dada a crise económica - principalmente no comércio - vivida na cidade de Guimarães a partir de 1927. Também a ausência de um local próprio para jogar impedia o clube de apresentar-se regularmente nas provas organizadas pela Associação de Futebol de Braga.

 

Até 1932, o calendário desportivo da equipa de futebol do Vitória resumia-se à realização esporádica de alguns jogos de carácter particular, sempre em casa do maior adversário, o Sporting Clube de Braga. Por̟ém, nesse mesmo ano, fundamentalmente depois da inauguração do Campo do Benlhevai, o clube começou a dinamizar-se e a evoluir positivamente para aquilo em que hoje se tornou.

 

Em 1934, o Vitória alcançou o seu primeiro grande troféu, conquistando o Campeonato Distrital de Braga após vencer o Sporting de Braga com um resultado agregado de 1–0 na final do torneio. Após perder as duas edições seguintes, acabou por conquistar onze edições seguidas da competição de 1936–37 até 1946–47.[11] Neste período, o clube também ganhou três edições do Campeonato do Minho, troféu disputado entre os vencedores dos campeonatos distritais de Braga e de Viana do Castelo respectivamente, em 1939, 1940 e 1941.

 

Entretanto, o clube vimaranense ingressou no primeiro escalão do futebol nacional em 1941, tendo descido 13 anos à Segunda Divisão na época de 1954–55, tendo regressado ao primeiro nível do futebol português em 1957–58, onde permaneceu até 2006.

 

Ao longo do século XX, o Vitória Sport Clube assumiu-se como possível candidato a ganhar a Taça de Portugal, tendo chegado à final em 1942, 1963, 1976 e 1988. Porém, acabou por ser sempre derrotado, evitando a conquista do seu primeiro troféu nacional.

 

Já na Segunda Divisão, o Vitória na época de 68-69, esteve a lutar pelo título de campeão nacional com o Benfica e o Porto, ficando na terceira posição a 3 pontos dos encarnados.Foi uma bela época de uma formação orientada pelo brasileiro Jorge Vieira.

 

Em 1980, Pimenta Machado assumiu a liderança do clube e, desde aí, o Vitória tem sido um dos principais clubes do futebol português, participando várias vezes nas competições europeias. Nomeadamente, em 1986–87, sob a orientação do treinador Marinho Peres, a equipa vimaranense alcançou o seu maior momento desportivo nas competições europeias, ao atingir os quartos-de-final da Taça UEFA, derrubando, entre outros, o Sparta de Praga e Atlético de Madrid, sendo derrotado pelo Borussia Mõnchengladbach.Neste mesmo ano, o Vitória ( Paulinho Cascavel, Ademir Alcantâra,Roldão pontificavam na Equipa) obteve uma das suas melhores classificações na Primeira Liga, onde alcançou novamente o terceiro lugar na Primeira Liga.[12]

 

Em 1988, o Vitória Sport Clube conquistou o seu primeiro troféu nacional, vencendo a Supertaça como finalista vencido da Taça de Portugal ao Futebol Clube do Porto por 2–0.

Após o virar do milénio, Pimenta Machado saiu em 2004 ( 24 anos após ter sido nomeado Presidente pela primeira vez), e seguiram-se Presidentes como Vítor Magalhães e Emílio Macedo da Silva.

 

Apesar de ter alcançado a fase de grupos da Taça UEFA em 2005–06 após derrotar o Wisła Kraków, acabaria por ser eliminado sem nenhum triunfo. Além disso, uma pobre performance a nível nacional apenas permitiu a equipa alcançar o 17º lugar no campeonato, acabando por descer à Segunda Liga pela segunda vez na sua história.

 

Em 2006–07, o Vitória ficou em 2º lugar no segundo escalão do futebol português, permitindo subir de volta à Primeira Liga, acabando por disputar o segundo lugar e, consequentemente, o acesso direto à Fase de Grupos da Liga dos Campeões da UEFA de 2008–09 com o Sporting Clube de Portugal. Acabou por ficar em terceiro lugar, garantindo o acesso à 3ª Pré-Eliminatória, onde viria a ser afastado pelo Basileia.[13]

 

Nessa mesma época, o voleibol do Vitória Sport Clube afirmava-se como uma das grandes equipas portuguesas, sagrando-se campeã nacional, e o basquetebol conquistava a sua primeira Taça. Em 2008–09, o Vitória também conquistaria a sua primeira e única Taça de Portugal de Voleibol.

 

Em 2010–11, o Vitória voltava ao Estádio Nacional do Jamor para disputar a final da Taça de Portugal frente ao Futebol Clube do Porto. Porém, foi derrotado por expressivos 6–2 e a seca de títulos nacionais de futebol continuou desde 1988.

 

Em 2012, Júlio Mendes assume a presidência do Clube, e cria uma SAD.Logo na primeira época no Clube (2012–13), o Vitória chegava a uma nova final da Taça, desta vez frente ao Sport Lisboa e Benfica. Apesar de se ter encontrado a perder por 0–1, a equipa vitoriana acabaria por dar a volta ao marcador nos últimos dez minutos com golos de Soudani e Ricardo Pereira e conquistar a sua primeira Taça de Portugal.[14] Nesse mesmo ano, o Vitória alcançou as finais da Taça de Portugal em voleibol e basquetebol, acabando por vencer esta última, a segunda do seu palmarés.

 

Em abril de 2015, segundo dados do clube, tinha 21 mil sócios registados, marco histórico no clube.[15] Em 2016–17, o Vitória acabaria por alcançar o 4º lugar na classificação e a final da Taça de Portugal mais uma vez, o que bastou para garantir o acesso à fase de grupos da Liga Europa da UEFA de 2017–18. Porém, acabou por perder a final no Jamor e a Supertaça (ambas com o Benfica 2-1 e 3-1 respetivamente), ao qual garantiu o direito de jogar como finalista vencido da Taça de Portugal.

 

A 15 de setembro de 2017, num jogo contra o Salzburgo, a contar para a Liga Europa da UEFA, o Vitória deixou a sua marca nas competições da UEFA ao ser a primeira equipa a iniciar um jogo sem um único jogador europeu no onze inicial. [16]

 

Pelo clube, passaram alguns dos jogadores mais talentosos que actuaram no futebol português, tais com Neno, Dimas, Fernando Meira, Quim Berto, Paulo Bento, Zahovic, Capucho, Pedro Barbosa, Vítor Paneira, Pedro Mendes, Nuno Assis, Ricardo Pereira e Soudani.

 

Ao longo da sua existência, várias figuras marcaram a história do clube, com Presidentes como Pimenta Machado e Júlio Mendes a figurar como individualidades marcantes. Ao nível de treinadores, Jorge Vieira, José Maria Pedroto, Raymond Goethlas, Marinho Peres, Paulo Autuori, Manuel José, João Alves, Augusto Inácio, Quinito, Manuel Cajuda, Rui Vitória e Pedro Martins deixaram a sua marca no clube Vimaranense.